Nossa Senhora Rainha dos Apóstolos

nossa_sra_rainha_dos_apostolos

Medidas: 18x28 cm (LxA)

Peso Aproximado: 130g


História

30 de Maio

Padre Tiago Alberione, fundador da “Fam√≠lia Paulina” (fam√≠lia formada de cinco congrega√ß√Ķes e tr√™s institutos), quis colocar as congrega√ß√Ķes sob a prote√ß√£o de S√£o Paulo Ap√≥stolo e sob o olhar de Nossa Senhora Rainha dos Ap√≥stolos.

Padre Alberione em sua ação missionária sentiu, de maneira especial, a presença da Mãe de Deus, e quis que seus discípulos e discípulas a venerassem sob o título de Rainha dos Apóstolos. Desejando uma imagem que representasse de uma forma especial e significativa, Maria oferecendo ao mundo seu Filho que tem nas mãos um papiro simbolizando o Evangelho, encomendou um grande painel da Virgem Santíssima ao artista romano João Batista Conti.

A pintura do quadro da Rainha dos Apóstolos, realizada pelo pintor João Batista Conti, em 1935, é considerada unanimemente como a reprodução oficial e fiel da idéia de Padre Alberione. Nele Maria aparece de pé diante do altar oferecendo Jesus ao mundo como a Verdade para contemplar enquanto Jesus traz na mão um pergaminho enrolado. O apóstolo Paulo está em primeiro plano com a espada na mão e um livro fechado. São Pedro, no centro do quadro, com a mão erguida aponta para a Rainha dos Apóstolos que está circundada pela luz do Espírito Santo. Os dois apóstolos são considerados as colunas da Igreja. Alguns apóstolos e santos estão em atitude de oração ou absortos em meditação.

Este quadro foi colocado na igreja de Alba, It√°lia, igreja matriz das congrega√ß√Ķes paulinas, edificada em agradecimento √† prote√ß√£o de Nossa Senhora aos seus filhos.

Existe outra representação de Nossa Senhora Rainha dos Apóstolos, onde Maria aparece juntamente com os apóstolos, no dia de Pentecostes.

Como diz Alberione: “O Esp√≠rito Santo habitou de modo permanente em Maria, foi o seu mestre, o seu guia. Ela alcan√ßou o conhecimento mais profundo da revela√ß√£o de Deus contida nos livros do Antigo Testamento e viveu-a de forma plena. O ‘Magnificat’ mostra-nos quanto conhecia sua doutrina, quanto a vivia e a usava na ora√ß√£o e na medita√ß√£o”.

Contudo, a invoca√ß√£o a Maria como Rainha dos Ap√≥stolos n√£o √© recente, pois j√° existia nas Ladainhas Loretanas, institu√≠das por S√£o Greg√≥rio Magno no s√©culo VII, atualizadas posteriormente. √Č tamb√©m bastante conhecido nos meios art√≠sticos um mosaico bizantino do s√©culo XII, na igreja do Torcello (It√°lia), no qual a M√£e de Deus aparece de p√© com o Menino Jesus ao colo, rodeada pelos doze ap√≥stolos.

Muito tempo antes de Tiago Alberione, São Vicente Pallotti o fundador da Sociedade do Apostolado Católico, já havia colocado a sua obra missionária sob a tutela da Rainha dos Apóstolos, a fim de que os seus filhos, unidos em sincera e profunda devoção a Maria, com Ela e por Ela alcançassem as luzes e graças do Espírito Santo para tornarem-se destemidos propagadores do Reino de Cristo.

Atrav√©s da hist√≥ria, a Sant√≠ssima Virgem tem-se manifestado sempre como M√£e, Mestra e Rainha dos Ap√≥stolos, atendendo sol√≠cita √†s s√ļplicas de todos aqueles que de qualquer maneira trabalham para o an√ļncio da mensagem do Evangelho e a expans√£o do Reino de Deus.

Oração

√ď Maria, eu vos louvo e agrade√ßo porque sois nossa M√£e e Rainha.

Lembrai-vos de que Jesus, antes de morrer, nos confiou aos vossos cuidados. Continuai, pois, a suscitar e fortalecer santas voca√ß√Ķes para as diferentes miss√Ķes na Igreja.

Dai-me forças para anunciar, com vigor e coragem, o Evangelho de Cristo.

√ď Maria, eu vos consagro todo o meu ser; a v√≥s entrego minha fam√≠lia, meu trabalho e todas as pessoas que necessitam da vossa for√ßa e do vosso auxilio. Maria, Rainha dos Ap√≥stolos, rogai por n√≥s!

Amém.